Siga-nos

  • Facebook ícone social
i006572.png

AVALIAÇÃO DE RISCOS

O processo pelo qual o risco do segurado é avaliado designa-se de subscrição. Assim, tanto o prémio como os termos do contrato do seguro são baseados na avaliação do nível de risco efectuada pelo segurador.

O processo de subscrição beneficia os tomadores de seguros, pois quando mais informação existir sobre um risco individual, mais o prémio pode ser adaptado a esse risco. Se a liberdade da seguradora no processo de subscrição e no estabelecimento do valor do prémio for limitada, o preço, a disponibilidade dos produtos ou rentabilidade da seguradora serão afectados.

Cada indivíduo ou entidade que pretenda estar seguro apresenta um nível distinto de risco para a segursdora, por exemplo uma casa de madeira apresenta um risco de incêndio maior do que uma casa em tijolo. Para se ter a certeza que cada segurado paga um prémio adequado, as seguradoras recorrem aos factores de tarifação para atribuir um nível de risco. De um modo geral, quanto maior o risco, maior o prémio.

O processo de subscrição difere de seguradora para seguradora, dependendo, por exemplo, do nível de risco que cada uma está disposta a aceitar. Podem ser aplicados às apólices termos e condições excluindo eventos ou circunstâncias particulares, de modo a homogeneizar os riscos. Os termos e condições também são importantes para ajudar a reduzir os impactos do risco moral e da anti-seleção.

Risco moral ocorre se o comportamento dos tomadores de seguro alterar após a celebração do contrato de seguro, de um modo que posso tornar a eventualidade do sinistro mais passível de ocorrer. Por exemplo, um condutor poderá conduzir menos cuidadosamente a partir do momento em que beneficia de um seguro em que o risco de dano do seu carro passa para a seguradora.

Anti-selecção ocorre quando indivíduos de maior risco têm uma maior probabilidade de subscrever um seguro. Um dos objectivos do processo de subscrição é evitar esta situação, identificando factores de risco relevantes e estabelecendo prémios que reflitam correctamente os riscos. Por exemplo, se os fumadores e não fumadores puderem beneficiar de um seguro de vida pelo mesmo preço (baseado na esperança de vida média dos dois grupos), o prémio será mais favorável para os fumadores. Se no entanto, as seguradoras introduzirem o tabaco como um factor de tarifação no processo de subscrição, podem oferecer aos não fumadores prémios de seguros de vida mais baixos.

O cálculo do prémio baseado no risco encoraja as seguradoras a inovar, para concorrer de modo mais eficaz tanto em preço como em produtos. O desenvolvimento de novos, ou mais sofisticados factores de tarifação permite às seguradoras oferecer preços mais competitivos, ou oferecer seguros para riscos anteriormente não seguráveis. Além disso, estabelecer o prémio a partir do risco também pode influenciar positivamente o comportamento individual de cada um.